Dor do crescimento

Parece que a vida dói devagarinho na gente
Você não acha?
Tudo é despedida, mesmo quando é chegada
Nasci e me despedi do corpo da minha mãe, tive saudade do cheiro
Todo bebê tem saudade do cheiro da mãe
Será que essa é a primeira saudade de toda pessoa que nasce?
Eu tenho saudade de ver as casas grandes, com móveis grandes, e quintais enormes Quando a gente é criança, tudo é muito grande, mesmo que não seja de verdade
Aí a gente cresce e o mundo vai ficando cada vez menor
Vai apertando a gente pelos cantos, no trânsito, no metrô, nos shows e nas filas dos banheiros
E tem hora que tudo que a gente quer é um abraço pra soltar
Pra soltar do medo, pra soltar do sufoco, pra soltar da gente e de repente sentir que a gente está no outro
É que a vida vai doendo assim devagarinho
Minha mãe dizia que eu reclamava muito quando era pequena, e ela diz que o nome daquilo era dor do crescimento
Eu acho que a gente nunca para de crescer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s