Calhordas

E eu que pensei que os calhordas que conheci não me serviriam pra nada.
Agora os reconheço, olhos nos olhos de pupilas dilatadas, a cada mentira solta dos lábios, e dos meus lábios o riso, o riso de quem os entende como uma língua fluente e que sabe que neste golpe não cai mais.
De certa forma, amo meus calhordas.
Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s